8 de julho de 2012

Ler pra quê, caramba?

O Alex Castro perguntou pra quê incentivar pessoal a ler. 

E eu fiquei matutando. Por que incentivar outras pessoas a ler? Pra quê esse serviço todo de levar o livro pra perto do povo? Ler faz diferença? Ler é necessário? Quando? Quanto?

Aí quem gosta de ler pensa: "Claro que é necessário, claro que faz diferença, pra mim ler só faz diferença, afinal, livro é transformador." 

Mas a pergunta não era essa. A pergunta era: Por que ler faria diferença para outra pessoa, esse outro que não lê, que não vê função em leitura, que não gosta de livro?

E agorinha eu encontrei a resposta... num livro!

Cecília Meireles, no "Problemas da Literatura Infantil", falando sobre a necessidade de apresentar dicionários às crianças:
"E porque precisamos pensar e exprimir o pensamento. Porque precisamos ser mais lúcidos e exatos. O mundo sofre por uma imperfeita comunicabilidade dos homens. Não dizemos o que pensamos? Ou não pensamos o que dizemos?"
Apesar de eu achar que não se deve ler apenas pela "utilidade" do livro... Aliás, não se "deve" ler. Enfim, eu concordo em partes com o Alex, as pessoas "devem" ser educadas, gentis, compreensivas, evitar a violência... E a Cecília  me apresentou a chave: compreensão mútua. Para ser compreendido é preciso falar bem o que se pensa, é preciso ter palavras para isso.

Então ler "serve",  para conversar melhor. Para falar, é preciso ouvir e leitura é audição atenta dos melhores pensamentos de alguém. Dos pensamentos escritos com as melhores intenções. Então, quando a gente acredita que "é conversando que a gente se entende", ler serve muito. Muitíssimo. Não só para conversar sobre literatura, mas para conversar sobre tudo, sobre o mundo. Aí, saiu isso:



2 comentários:

  1. Não é fácil tornar um não-leitor um leitor, assim como explicar para o sujeito o porque de ser tão bom. Mas assino em baixo do que disse Cecília, se tívessemos, de fato, um país de leitores, ele, certamente, seria um grande país ;)

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Que post fantástico, prima.

    Entre algumas das minhas manias de maniático, coleciono frases. Essa que tu postou está indo para a minha coleção.

    Aproveito para dividir algumas das que vieram à minha cabeça enquanto lia seu post. Desculpe alguma eventual imprecisão no texto ou de fonte. Estou escrevendo de cabeça e sem confirmar:

    "Os livros não mudam o mundo. Quem pode mudar o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas." Mário Quintana

    "Uma pessoa não pode construir o que não pode conceber".

    "Quem não é capaz de dizer o que quer não pode cumprir o que diz."

    "Quem mal lê, mal ouve, mal fala, mal vê."

    ResponderExcluir