27 de agosto de 2012

Problemas da Literatura Infantil, Cecília Meireles

Veio através de troca no skoob. Editora Nova Fronteira, 1984, 155 páginas. É um livro de uma amante de livros infantis para os outros entusiastas. Trata o livro, a literatura e as crianças com carinho e reverência à sua importância. Achei perfeito para conhecer o assunto, tanto como mãe e apaixonada pelos livros quanto para a academia.

A ideia que permeia todo o livro é que literatura infantil não deixa de ser Literatura por ser escrita para crianças ou ter sido apropriada por elas. Um livro, para a criança, vai suprir a mesma necessidade que supre em um adulto: fascinar, entreter, apreender, refletir. Mas olha só, vocês que já eram ratinhos de biblioteca quando crianças, como eu, se a dona Cecília não era sabida:

" Se considerarmos que muitas crianças, ainda hoje, têm na infância o melhor tempo disponível da sua vida, que talvez nunca mais possam ter a liberdade de uma leitura desinteressada, compreenderemos a importância de bem aproveitar essa oportunidade." pg. 123

Esse é o Logan, que adora livros e não perde a oportunidade!
Conheça um pouquinho da  história dele no delicioso "A vida com Logan"

A primeira edição é de 1951 e, naquela época, as histórias em quadrinhos e ilustradas eram consideradas uma "distração" para a "real leitura". É minha única discordância, e não culpo a Cecília, já que os quadrinhos e os livros ilustrados de hoje são bem diferentes daqueles que ela podia analisar. Ainda bem!

Os trechos mais interessantes:

1. Oralidade e literatura

"Sempre que uma atividade intelectual se manifesta por intermédio da palavra, cai, desde logo, no domínio da Literatura. A Literatura, porém, não abrange, apenas, o que se encontra escrito (...) A palavra pode ser apenas pronunciada. É o fato de usá-la, como forma de expressão, independente da escrita, o que designa o fenômeno literário." pg. 19

"Conta-se  e ouve-se para satisfazer essa íntima sede de conhecimento e instrução que é própria da natureza humana. Enquanto se vai contando, passam os tempos do inverno, passam as doenças e as catástrofes - como nos contos do Decameron - chegam as imagens do sonho - como quando as crianças docemente descaem adormecidas.

The Storyteller, obra de Howard Terpning, site oficial.

O gosto de contar é idêntico ao de escrever - e os primeiros narradores são os antepassados anônimos de todos os escritores. O gosto de ouvir é como o gosto de ler. Assim, as bibliotecas, antes de serem estas infinitas estantes, com vocês presas dentro dos livros, foram vivas e humanas, rumorosas, com gestos, canções, danças entremeada às narrativas." pg 49.

"Por isso, quando ainda não havia bibliotecas infantis, não era tão grande e sensível a sua falta; o convívio humano as substituía. Tempos em que a família, aconchegada, criava um ambiente favorável à formação da criança." pg 50.
Xhosa Transkei storytellers, fotografia de Harold Scheub,
disponível na Digicol Library

"é a Literatura Tradicional a primeira a instalar-se na memória da criança. Ela representa o seu primeiro livro, antes mesmo da alfabetização, e o único, nos grupos sociais carecidos de letras.
"Por esse caminho, recebe a infância a visão do mundo sentido, antes de explicado; do mundo ainda em estado mágico. Ainda mal acordada para a realidade da vida, é por essa ponte de sonho que a criança caminha, tonta do nascimento, na paisagem do seu próprio mistério. Essa pedagogia secular explica-lhe, de forma poética, fluida, com as incertezas tão sugestivas do empirismo, o ambiente que a rodeia - seus habitantes, seu comportamento, sua auréola." pg. 83

2. A importância da literatura 

"A Literatura não é, como tantos supõem, um passatempo. É uma nutrição." pg 32

"Book eater" por Beppe Giacobbe,
no Creative Quarterly

"...para a criança, como para o adulto, a eternidade é um sonho inconfessado mas vigilante, se não em termos divinos, pelo menos em humanos: reconhecer a continuidade do nosso destino na terra; sentir perpetuada este interminável família humana, aconchego semelhante ao da enumeração bíblica, em que nos encontramos idênticos, desde sempre, para sempre, em nossas fraquezas e virtudes." pg. 35

"O certo, porém, é que os livros que têm resistido ao tempo, seja na Literatura Infantil, seja na Literatura Geral são os que possuem uma essência de verdade capaz de satisfazer à inquietação humana, por mais que os séculos passem. São também os que possuem qualidades de estilo irresistíveis cativando o leitor da primeira à última página, ainda quando nada lhe transmitam de urgente ou essencial."
"De qualquer forma, o milagre fundamental está nas mãos do autor" pg. 117

Retrato da escritora inglesa Fay Sampson, por Diana Colledge

"porque precisamos pensar e exprimir o pensamento. Porque precisamos ser lúcidos e exatos. O mundo sofre por uma imperfeita comunicabilidade dos homens. Não dizemos o que pensamos? Ou não pensamos o que dizemos?" pg. 154

3. O conceito de literatura infantil

"...tudo é uma Literatura só. A dificuldade está em delimitar o que se considera como especialmente do âmbito infantil.
São as crianças, na verdade, que o delimitam, com a sua preferência. Costuma-se classificar como Literatura Infantil o que para elas se escreve. Seria mais acertado, talvez, assim classificar o que elas leem com utilidade e prazer. Não haveria, pois, uma Literatura Infantil a priori, mas a posteriori." pg. 20

"Ah! tu, livro despretensioso, que, na sombra de uma prateleira, uma criança livremente descobriu, pelo qual se encantou, e, sem figuras, sem extravagâncias, esqueceu as horas, os companheiros, a merenda... tu, sim, és um livro infantil, e o teu prestígio será, na verdade, imortal."

Imortal bruxinha!

"Pois não basta um pouco de atenção dada a uma leitura para revelar uma preferência ou uma aprovação. É preciso que a criança viva a sua influência, fique carregando para sempre, através da vida, essa paisagem, essa música, esse descobrimento, essa comunicação..." pg 31

"Só nesses termos interessa falar de Literatura Infantil. O que a constitui é o acervo de livros que, de século em século e de terra em terra, as crianças têm descoberto, têm preferido, têm incorporado ao seu mundo, familiarizadas com seus heróis, suas aventuras, até seus hábitos e sua linguagem, sua maneira de sonhar e suas glórias e derrotas." pg 32

A Lisa demorou, mas acabou se rendendo
ao bruxinho que já entrou pro cânone infantil!

"Que as crianças gostam de histórias ricas de conteúdo humano, prova-o a escolha que têm feito, através dos tempos, entre livros tão variados. Que são sensíveis à arte literária, a certos requintes de técnica, basta ouvir-se o testemunho de alguns que recordam a infância." pg. 122

4. O livro infantil - autores adultos, leitores crianças

"... em suma, o "livro infantil", se bem que dirigido à criança, é de invenção e intenção do adulto. Transmite os pontos de vista que este considera mais úteis à formação de seus leitores. E transmite-os na linguagem e no estilo que o adulto igualmente crê adequados à compreensão e ao gosto do seu público." pg 29

"Uma das complicações iniciais é saber-se o que há, de criança, no adulto, para poder comunicar-se com a infância, e o que há de adulto, na criança, para poder aceitar o que os adultos lhe oferecem. Saber-se, também, se os adultos sempre têm razão, se, às vezes, não estão servindo a preconceitos, mais que à moral; se não há uma rotina, até na Pedagogia; se a criança não é mais arguta, e sobretudo mais poética do que geralmente se imagina..."



"Por isso, em lugar de se classificar e julgar o livro infantil como habitualmente se faz, pelo critério comum da opinião dos adultos, mais acertado parece submetê-lo ao uso - não estou dizendo à crítica - da criança, que, afinal, sendo a pessoa diretamente interessada por essa leitura, manifestará pela sua preferência, se ela a satisfaz ou não."
"Pode até acontecer que a criança, entre um livro escrito especialmente para ela e outro que o não foi, venha a preferir o segundo. Tudo é misterioso, nesse reino que o homem começa a desconhecer desde que o começa a abandonar." pg 30

---

4 comentários:

  1. Dona Cecília sabe, e muito. Gostei especialmente da frase "A Literatura não é, como tantos supõem, um passatempo. É uma nutrição." É meu argumento desde já, rs.

    E também o último trecho, quem melhor que criança para avaliar" um livro que é direcionado para ela?

    Muito interessante este livro, ainda mais por ter sido escrito por quem foi, não é.

    E a Bruxinha, bom, ela nem se fala.

    ResponderExcluir
  2. Ótimo! Também adorei! Grato pela chance de conhecer um pouco mais Cecília Meireles.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom, faço questão de comentar! Me ajudou muito!

    ResponderExcluir