21 de agosto de 2012

O céu dos suicidas, Ricardo Lísias

Seguindo o Lísias no facebook e lendo as resenhas que ele compartilha... não consegui segurar. Quebrei a promessa que fiz aqui no blog de não comprar mais livros pra mim esse ano... e aproveitei a promoção contínua de desconto na 30porcento. Olha que eu acho que é uma das últimas livrarias virtuais com exemplar disponível! E está R$ 23,80. Eles mandam no Registro Módico, dá uns 4 reais de frete!

Compra lá! (não é publieditorial não, é só que eu valorizo barateza.

A edição é da Alfaguara, 2012, 186 páginas. Chegou na quarta no IBGE, mas só peguei na mão quinta, por conta de uma viajem a serviço. Comecei a ler assim que o Tomás dormiu, 21:30 e terminei às 22:30. Nunca tinha lido tão rápido na vida, acho. E fazia tempo que eu não terminava um livro tremendo de nervoso.

A história, por si só, já é difícil. O narrador conta como tem vivido após o suicídio de seu grande amigo André. Como é compreensível, ele tem vivido mal. Insônia, culpa, raiva, dúvida, horror... tudo junto. E no ritmo do Lísias, os pensamentos e ações vão acontecendo tão rápido que parece que estou ouvindo o narrador na minha frente. É a história do Ricardo (o nome do narrador é Ricardo Lísias, como o escritor) da forma que o Ricardo está contando, como ele quer contar, e não como um narrador onisciente chatonildo faria, com viagens interiores e narrativa psicológica, que eu detesto.

Que mais? Eu não sei falar muito sobre livros que eu gostei! Então, se vocês também gostarem, procurem os outros livros do Lísias. Eu li, no começo do ano, "O livro dos mandarins". Tem o mesmo ritmo, e, apesar de o assunto ser mais leve - o mundo corporativo -, também tem muita tensão.

É isso.

Cinco estrelinhas. Em cinco.

---
Outras resenhas:

Noite e Dia, Virginia Woolf;
A melhor HQ de 1980;
Água para elefantes, Sara Gruen;
Buracos, Louis Sachar;
Preconceito Linguístico, Marcos Bagno;
O livro do contador de histórias chinês, Michael David Kwan
Oriente. Ocidente, Salman Rushdie
A jogadora de go, Shan Sa
Unhas, Paulo Wainberg
- A mulher do viajante no tempo, Audrey Niffenegger
Pinóquio, adaptação de Guilhaume Frolet
Clara dos Anjos, Lima Barreto
O rapto das cebolinhas, Maria Clara Machado
Cozinheiros Demais, Rex Stout

2 comentários:

  1. Oh no! Sua resenha praticamente me obrigou a comprar esse livro! kkk
    E curti a proposta da livraria dando 30 por cento eterno em todos os livros...

    ResponderExcluir
  2. De cara já gostei desta livraria! Vou correr lá. Eu gosto muito desta capa padrão da Alfaguara, tenho três ou quatro dela, fica bonito na estante ;)

    Me lembrei da sua outra resenha de um livro dele, e agora, como o João, tenho que ler alguma coisa dele, espero que seja em breve (ou melhor, ainda este ano, só devo comprar livros agora lá por dezembro).

    ResponderExcluir